Encontro Pagão da Baixada Santista

Encontro Pagão da Baixada Santista

quinta-feira, 27 de novembro de 2014

O Deus da Wicca


Olá Povo Lindo dos Deuses, como vocês bem sabem não gosto de fazer textos tão direcionados a Wicca, mas há alguns dias venho sentindo uma necessidade de escrever e esse é o nome para o Texto que não saiu da minha cabeça, afinal no dia da Deusa fiz um texto bem completo sobre Ela vindo desde tempos antigos, agora é a vez Dele, mas não quero fazer um texto histórico e cheio de referencias bibliográficos, quero deixar o texto fluir simplesmente.....
O Deus que em muitas culturas desde tempos antigos celebrados como o próprio Sol, é Amante, Consorte e Filho da Deusa, assim como a Deusa com diversos nomes e formas de adoração espalhadas mundo a fora, tempos atrás, atuais e futuros.

Afinal se resistimos até hoje com a crença nos Antigos acredito que nos fortificamos com certas dificuldades as x vindas inclusive de dentro da religião ou da filosofia de vida Pagã (coloquei dessa forma pq acredito que o Paganismo nos mostra a viver o que acreditamos)
Mas vamos falar do Deus rs O Senhor da Luz e da Morte e Renascimento, não vemos a imagem do Deus como um ditador, que dá ordens de comportamento que se vc não cumpri-las será punido, assim como a Deusa que é Mãe podemos olhar para o Deus e ver a imagem do Pai, e ambos estão aqui para nos ajudar nessa caminhada, mas todos nos sabemos que nossos Pais as vezes nos castigam, afinal temos que lidar com a consequência de nossos atos... ah haaaaa é ai que a Lei Tríplice age, fez bem tem recompensa, fez o mal paga o preço.

No inicio de tudo a figura mais importante era a feminina, todos possuíam mães e eram filhos da tribo, logo a imagem do pai não era significativa, com o advento da caça a necessidade de um Deus protetor se fez e se falamos em caça lembramos que o Deus é a caça e o caçador, ele conhece os mistérios da caça, ele sabe como defender a vida daquele caçador para que ele possa voltar dessa missão, que vamos combinar não devia ser nada fácil, imagina os homens no meio da mata com instrumentos de caça rudimentares, nada de pólvora, de espingarda ou coisa do tipo, a humanidade estava a dar seus primeiros passos e ele tinha que enfrentar um animal enorme e forte claro, o animal era morte para a sobrevivência da tripo e o caçador tinha que voltar vivo e com comida e dai vem a importância de um Deus da caça.
Esse Deus da caça é uma mistura de homem e animal, esse é o Deus da floresta, muitas vezes chamado de O Cornífero, afinal a conotação negativa dos chifres veio muito depois, o Deus é livre indômito (adoro essa palavra). Um outro aspecto do Deus esta ligado a Agricultura o que foi muito importante para muitas culturas nesse aspecto ele é muitas vezes chamado de Green Man o senhor da colheita se pararmos para analisar os Sabbats veremos claramente essa ligação, se você leu a historinha que já postei da roda do ano ou em algum outro lugar o significado da Roda vai ver que ela conta a vida do Deus através da mudança de estações, a religião centrada na Terra, que a vê a terra como a própria Deusa e o Deus como a semente e o Sol fertilizador que mostrará a vida naquela terra a associação do Deus com a vida vegetal surge em abundantes imagens na Europa.

Existe uma imagem celta que data do seculo V conhecida como Green Man ele representa o desenvolvimento agrícola da humanidade o fim da vida de nômade que sempre se muda quando a comida naquele local é escassa.
e por fim temos a imagem do Velho do Ancião ele é O Antigo simbolizando a sabedoria, a experiência dos nossos ancestrais, afinal acumular anos de vida não é só aumentar o numero de velinhas no bolo é acumular sabedoria.
Seja como for o Deus possui muitos nomes

Ele é o Consorte da Deusa, Doador da Vida, Senhor da Morte e Ressurreição, Deus das Sementes, Flores e Frutos, Antigo Deus da Fertilidade, o Senhor da Dança, ele é o Sol ele é a Semente ele é a força que nos Alimenta Ele é Pai ele é a imagem vista nas cavernas desenhadas por nossos ancestrais ele é aquele por quem as bruxas chamaram ao fugirem da fogueira ele é o senhor de Galhos, Rei do Milho, Azevinho, o Gamo Rei ele é Sagrado.
Como você mesmo pode perceber no paragrafo acima ele possui características opostas, duais O Deus do Sol honrado no verão, o Senhor do Submundo no inverno.
Que o Filho e Consorte da Grande Mãe te Proteja.
Conheça o melhor, aqui você não viu nada ainda do que Ele é, mas é um começo!!!!
Bençãos Dele


Bjs e Luz
)O( Freya Vivienne

Fonte:
Os Misterios Wiccanos Raven Grimassi
Wicca A Religião da Deusa Claudiney Prieto
O poder da bruxa

quarta-feira, 26 de novembro de 2014

Oração Celta da Manhã

ORAÇÃO CELTA DA MANHÃ

Amanheço hoje,
Com a forças do céu,
A luz do Sol,
O esplendor do Fogo,
O resplendor das chamas,
A velocidade do Vento,
A rapidez do Raio,
A firmeza da Rocha,
A estabilidade da Terra,
A profundidade do Mar.

Amanheço hoje,
Pela forças secreta e
Divina que me guia...

Se olhas a vida com ambição
corres o risco de perder tudo.

quarta-feira, 10 de setembro de 2014

O nome Magico



Por que os bruxos possuem tantos nomes, porque encontramos pessoas que usam nomes diversos para se definir.
Dentro da wicca existem alguns nomes usados por seus praticantes.
Vamos entender um pouco mais sobre o assunto
O primeiro detalhe é que todos temos um nome que foi nos dado pelos nossos pais, devemos lembrar que ele foi escolhido com amor e fomos “trabalhados” sob esse nome e ele possui uma energia e se um dia você foi batizado em alguma religião seja ela qual for, foi com esse nome que você foi apresentado ao Sagrado, seja ele de qual forma for e seja qual for seu entendimento naquele momento, ocorreu um rito de passagem bem importante, correto?
Porem as vezes mudamos nosso caminho, ou simplesmente não tivemos a chance de entender e de opinar nesse caminho.
Algumas pessoas explicam que estes montes de nomes não são por acaso. Indicam nossa evolução durante nossa vida. Outros ainda afirmam que os nomes representam nosso desenvolvimento durante o tempo de nosso aprendizado nesta vida.


Se são verdadeiras tais afirmações, não sei, porém uma coisa é certa, se nosso nome é exaustivamente pensado para ser escolhido, torna-se uma ferramenta importante para acelerar nossa evolução espiritual e a compreensão de nós mesmos.

Quando fixamos nossos pés no caminho espiritual, a partir desse momento começamos a mudar. Trilhar por este novo caminho envolve uma série enorme de transformações físicas, psíquicas e espirituais. E o nosso nome influi neste processo. É o nosso nome que, também, serve de ferramenta mágica para nos fazer viajar em nossos caminhos individuais.

Um simples nome pode ser símbolo de pura inspiração ou pode ser a causa de nossas vitórias ou fracassos. Este mesmo nome simples, pode nos associar com poderes elementares e nos presentear com muita energia em nossas vidas, mas também pode servir de chave para uma completa desolação.


Eles podem enfatizar onde nós vamos, o que somos e o que esperamos ser. Pode fazer nos sentir fracos, poderosos, sábios, inocentes ou arrogante.

Não existem limites ao que um simples nome pode trazer a nossa vida.
E quando a pessoa decide recomeçar, renascer um novo nome renasce com ela.
Esse nome é seu nome de nascimento na Bruxaria é o nome que lhe representa como filho dos Deuses
Como foi dito um bruxo em seu caminho pode adotar alguns nomes, tradicionalmente são eles:


Nome da Arte, Nome Pagão
Nome Iniciático
Nome de Coven ou Circulo.

O nome da Arte você irá escolhe-lo em seu momento de dedicação, ele é um nome especial, é seu primeiro nome de nascimento na Bruxaria.
por esse nome que você será conhecido no meio pagão, pois bem como vocês sabem o meu é Freya é assim que muitos me conhecem e assim também que me chamam dentro de um circulo social Pagão.

Nome iniciático é assumido apos a iniciação, a forma de assumi-lo depende da Tradição, pode ser transmitido pelos Deuses, pelos Sacerdotes Iniciáticos da pessoa, esse é o nome que você será conhecido pelos Deuses ele passa a ser aquilo que lhe define.

Nome de Coven ou Circulo, é como se fosse um apelido onde apenas as pessoas daquele coven ou circulo conheceram, ele não possui nenhum rito especifico, pode ser simplesmente incorporado por seu nome ou usado livremente entre as pessoas do circulo.


Cada tradição define a melhor forma de escolher esse nome, ele pode ser escolhido levando em consideração sua numerologia, significado da palavra, personalidade de Um Deus ou Deusa, necessidade de se conseguir alguma qualidade ligada aquele nome especifico.


Como a escolha se faz livre devemos nos atentar a alguns detalhes.

Se você for escolher seu nome saiba que ele possui uma força magica, um significado e isso será agregado a sua personalidade, logo você pode escolher um nome que defina as qualidades que você possui, que defina as qualidades que você busca, que gere um equilíbrio em alguma força que lhe desequilibra.
Você deve gostar de seu nome, deve achar bonito e ter a certeza que combina com você.
Os nomes possuem uma gama de variedade que vai desde um nome de flor, um nome de uma lingua especifica, um nome de alguma deidade enfim.....
Opções não faltam, mas tenha certeza que esse é o nome certo, trabalhe seu nome, faça exercícios para fortificar seu nome, cante seu nome, escreva com seu nome assina sendo esse novo você.
O nome ou o"mote" traz uma vibração que nos ajuda a se conectar com as energias daquele nome. Por exemplo, se antes de se adotar um nome, fizer o estudo numerológico dele, você poderá, após pesquisar, adotar o nome que carrega a força de determinado número que necessita ou quer, ou seja, um nome que traz o número do poder, da sorte, do poder e assim por diante.
Agora, se não quiser ter muito trabalho com cálculos, você pode adotar um nome de uma Deidade a qual você admira. Desta forma, você poderá receber algumas das características da Deidade escolhida, atente-se para o fato, de que, se o método da numerologia vc teria o trabalho de fazer cálculos, neste último você terá que pesquisar a fundo tal Deidade para evitar excesso ou possível falta de algo... por exemplo: ter muita beleza e ter de menos as características da bondade... em outras palavras vc precisa estudar profundamente os aspectos positivos e negativos da Deusa ou Deus que escolheu..
Sem dúvida, escolher o próprio nome mágico é uma tarefa difícil, porém excitante. E nunca se esqueça...as palavras trazem consigo PODER...o nome é uma palavra e portanto, você carregará este poder para sempre.


Depois de ter encontrado seu nome mágico, você deve fazer um ritual (preferencialmente escrito por você) para se apresentar perante os Deuses (Deusa e Deus). Neste ritual, você deverá queimar um bom incenso, velas claras e uma música suave ou até mesmo dançante. Celebre este ritual criado por você como se fosse uma festa, o que, de fatoo é, visto que você está nascendo dentro da casa da Deusa e do Deus. A partir do momento em que você gritar para Eles e para os 4 ventos o seu nome, você nasce para uma nova vida.

Após se apresentar para a Deusa e para o Deus, dê graças a Eles e peça que eles te reconheçam pelo nome dado. Após o pedido, pare em silêncio e faça uma viagem interior. Deixe sua imaginação levar o ritual. Se quiser lhe dê um presente. Terminado seu ritual, se desejar, faça uma reunião com seus amigos para comemorar seu nascimento.

Assuma a personalidade que esse novo momento que esse renascimento lhe proporciona, pois esse nome ficará para sempre anotado no “livro da Grande Mãe”.




)O( Freya Vivienne 

segunda-feira, 1 de setembro de 2014

A Deusa

Dia 7 de setembro celebraremos o dia Mundial da Deusa, por isso vamos nos conectar ao máximo com essa egregora esse final de semana, não importa qual seja sua devoção se acredita na Deusa deve-se conectar com Ela, sim isso é um trabalho diário porem essa energia de saber que teremos um dia em que o mundo inteiro estará se conectando nos coloca em uma egregora maior!!!
Vamos aproveitar!!!
Mas a Deusa pode ser vista de diversas formas, em varias culturas tem se uma visão da Deusa e todas as pessoas possuem sua visão pessoal sobre Ela e nem sempre é a mesa, mesmo entre aquelas que estudam juntos, praticam juntos e etc e essa é uma de suas belezas.

Ela é Donzela, Mãe, Anciã e com todas as suas faces e nomes já esteve presente em diversas culturas.
A figura da Deusa existe desde que existe humanidade, seja como a Lua sagrada as mulheres das cavernas, seja como a Deusa que auxiliava as mulheres no parto, o culto a Deusa e seu nome também é diferente em varias partes do mundo.
Aproxime-se da Deusa e conheça a Deusa, assim sentira Ela também dentro de ti.
Desde o meu inicio na Bruxaria escuto aquela famosa Máxima
“Todas as Deusas são a Deusa”
Conheci pessoas que concordam e pessoas que discordam, criei minha opinião e muito tempo passei sem pensar no assunto
Um dia fui questionada sobre a Deusa por um amigo que me fez uma pergunta sobre a Deusa que me fez pensar na frase e eu disse:
“ acredito que esta frase seja uma Grande Verdade e uma Grande Mentira!”
O que para alguns pode ser contraditório porem me expliquei da seguinte forma
Cada Deusa é uma, Completa mesmo que A Deusa seja a Senhora dos 10 mil nomes.
Da mesma forma que pensei espero que você pense também e crie sua própria opinião independente da minha.
Porque se você escolheu o paganismo como sua filosofia, você deve ser um ser pensante que questiona e que estuda.
A mente humana, há 30.000 anos, tinha começado seu processo de buscar explicações sobre os mistérios da vida,assim como fazemos hoje. A arte associada com a revolução humana daquela época é indispensável para apoiar a teoria de que o Homo Sapiens possuía certas crenças espirituais. A arte e religião sempre tiveram um relacionamento inextricável entre si.



O fio comum que une todas fés modernas é melhor explicado através da definição do termo religião. O antropólogo J. G. Frazer define religião como "uma propiciação ou conciliação de poderes superiores ao homem que acredita-se dirigir e controlar o curso da natureza e da vida humana". Num nível básico, é o Xamã que cumpre este papel. É o Xamã que é capaz de interceder e interpretar tais relacionamentos. O Xamã compartilha um relacionamento íntimo com o reino espiritual como Joseph Campbell explica: “O xamã é um tipo particular de homem curador, cujos poderes podem causar a cura ou a doença, podem comunicar-se com o mundo além, prever o futuro, e podem tanto influenciar o tempo como o movimentos de animais cuja gravidez acredita-se ser derivada de suas relações sexuais com espíritos vislumbrados. “
Apesar do fato de o Xamanismo não gozar nem a popularidade nem o número elevado de seguidores das religiões mais importantes do mundo, o Xamã continuou a praticar uma arte que permaneceu relativamente inalterada desde tempos imemoráveis. As raízes do Xamanismo pré datam todas as religiões atuais do mundo. Embora o Xamanismo seja encontrado principalmente em sociedades caçadoras e simples ao redor do mundo, sua influência pode muito bem ser encontrada em praticamente todas as culturas e religiões hierarquicamente mais complexas. Para evidenciar tal hipótese é necessário seguir o progresso do Homo Sapiens arcaicos, conforme eles se desenvolveram no Homo Sapiens modernos.
O artista e Xamã eram provavelmente uma só pessoa no período Paleolítico. Por seus poderes mágicos de recriar animais nas paredes das cavernas de templo, eles -- os artistas-xamãs – conectaram-se com a fonte da vida que animava o Todo.
No período paleolítico 35000 – 8000 aec aparecem os primeiros sepultamentos e pinturas rupestres é nessa época que começa o culto propriamente dito a natureza, a crença em espíritos e seres sobrenaturais que protegiam os animais
O período Neolítico 8000 – 3500  muda tudo, pois o homem não é o mais o caçador a mulher passa a conhecer seu corpo e os mistérios da vida e morte, os Deuses antes da caça passam a ser Deuses da agricultura e fertilidade da terra, pois a necessidade é de se fixar em um lugar e nesse momento as pessoas começam a se aproximar e dividir suas experiências com o Divino e nesse período surge o que conhecemos como religião com cultos organizados de acordo com a localidade de cada grupo o ser humano passa a acreditar que existem criaturas sobrenaturais que o controlam.
No paleolítico a religião se mostra como uma filosofia de vida, a religiosidade que aos poucos se forma em religião propriamente dita no Neolítico em diante

De todos os pensamentos e formas de culto encontrados  na pré-história, o de uma Divindade criadora feminina, a Deusa, parece ter sido o mais central e desenvolvido.  Estatuetas de Vênus é um termo amplo para um número de itens pré-históricos, principalmente em forma de estátuas de mulheres obesas ou grávidas, esculpidas no período Paleolítico Superior e achadas na Europa.
São consideradas por muitos estudiosos ícones da fertilidade e representações do arquétipo da Grande Mãe. Elas são feitas de pedra, osso, barro e foram descobertas perto dos restos de paredes das primeiras habitações humanas. Estas estátuas foram encontradas na Espanha, França, Alemanha, Áustria, Checoslováquia e Rússia e a maioria delas tem mais de dez mil anos.
A Vênus de Willendorf é talvez a estatueta Pleistocena mais famosa. Esta pequena estatueta é representada com seios e nádegas exagerados. Esta figura foi feita na Idade da Pedra há mais de 20.000 anos e forma nossas impressões da primeira Deusa Mãe Primordial. O acento sexual nos seios femininos e nádegas é considerado, por muitos, um sinal de fertilidade. Estas estatuetas sem forma são predominantes nas esculturas Pleistocenas. Há mais de cinqüenta figuras deste período encontradas e entre elas somente aproximadamente cinco masculinas são conhecidas. Nem todas as estatuetas femininas são protuberantes e gordas, mas a maioria se assemelha a Vênus de Willendorf. É comum que a barriga e seios sejam desproporcionais. A cabeça e braços são demonstrados relativamente sem importância em relação ao meio do tronco. As coxas tendem a ser exageradas com pernas menores. As Deusas Primordiais do Pleistoceno só podem representar símbolos de fertilidade. O mundo Pleistoceno representa a mudança do Homo Neanderthalensis para Homo Sapiens. É um mundo que desperta com a arte das cavernas e expansão geográfica. 


Dois achados arqueológicos mais antigos também são categorizados como estatuetas de Vênus - a Vênus de Berekhat Ram, que data entre 800.000 e 233.000 AEC; e a Vênus de Tan-Tan,que data entre 500.000 e 300.000 AEC. Achadas na Ásia e África respectivamente,elas foram feitas de pedra em vez de cerâmica. Ambas estatuetas são muito ásperas e podem ter tomado a forma humana por processos geológicos naturais. No entanto, o Vênus de Berekhet Ram tem estriamentos sugerindo ferramentas e trabalho humano em pedra e a Vênus de Tan-Tan, possui evidências de ter sido pintada: uma substância gordurosa encontrada na superfície da pedra contendo ferro e manganês indica que ela foi decorada por alguém e usada como uma estatueta religiosa, independentemente de como tenha sido formada.
As estatuetas das Vênus neste contexto podem ser vistas pela perspectiva animista da mente primária por meio de uma mentalidade que vê o mundo como vivo e entrelaçado com a vida humana. As figuras e as visões dos seres humanos e animais na forma da arte das cavernas fornecem uma ligação forte entre seres humanos e o mundo natural. As estatuetas Paleolíticas logicamente podem se encaixar nesta visão assumindo-se que elas eram parte de uma ênfase maior na fertilidade - seja tanto  apontando ao aumento mágico dos animais, quanto a fertilidade humana
O simbolismo da Deusa tem assumido um poder eletrizante para as mulheres modernas. A redescoberta de uma antiga civilização fêmeo centrada trouxe profundo sentido de orgulho na capacidade de a mulher criar e sustentar uma cultura. Ela expôs as falsidades da história patriarcal e propiciou modelos de força e autoridade femininas.

Novamente, no mundo atual, reconhecemos a Deusa, antiga e primitiva: a primeira das deidades; padroeira da Idade da Pedra e suas caçadas e dos primeiros semeadores; sob cuja orientação os rebanhos foram domesticados, as ervas curativas logo descobertas; a partir de cuja imagem as primeiras obras de arte foram criadas; para quem as pedras foram levantadas; que era a inspiração para canções e poesia. Ela é a ponte, pela qual podemos cruzar  os abismos dentro de nós mesmos, que foram criados pelo condicionamento social, e nos colocar em contato, novamente, com os nossos potenciais perdidos. Ela é o navio, no qual navegamos nas águas do  self  profundo, explorando os mares desconhecidos dentro de nós. Ela é a porta, através da qual passamos para o futuro. Ela é o caldeirão, no qual, os que fomos puxados de um lado para outro, podemos cozinhar em fogo brando, até que sejamos novamente um todo. Ela é a passagem vaginal, através da qual renascemos.
No Livro Wicca para Todos o Claudiney diz uma frase incrível sobre como o mundo de hoje se parece com uma casa quando o homem fica no lugar da mulher que por algum motivo se ausenta, e ele cuida da casa, dos filhos e do trabalho e isso claro deixa muita coisa bagunçada e fora do Lugar, então nos filhos dos Deuses Antigos chegamos em um momento em que a mãe o matriarcado teve que se ausentar deixando o Pai do Patriarcado cuidar do mundo e ele não limpou bem a casa e também não cuidou tão bem dos filhos, ele funcionava melhor trabalhando fora e trazendo as coisas para casa sendo a imagem daquele que se você não ouvir sua mãe naquele momento quando seu pai chegar será pior, nossa vida é a vida deles, a natureza é a nossa casa, a natureza é a vida Deles.

A Deusa é a primeira em toda a terra, o mistério, a mãe que alimenta e dá toda a vida. Ela é o poder da fertilidade e geração; o útero e também a sepultura que recebe, o poder da morte. Tudo vem dela, tudo retorna para ela. Sendo terra, também é a vida vegetal; as árvores, as ervas e os grãos que sustentam a vida. Ela é o corpo e o corpo é sagrado.
Útero, seios, barriga, boca, vagina, pênis, osso e sangue; nenhuma parte do corpo é impura, nenhum aspecto dos processos vitais é maculado por qualquer conceito de pecado. Nascimento, morte e decadência, são partes igualmente sagradas do ciclo. Se estamos comendo, dormindo, fazendo amor ou eliminando excessos do corpo, estamos manifestando a deusa.
A Deusa da Terra é também o ar e o céu, a celestial Rainha do Céu, A Deusa Estelar, regente de todas as coisas sensíveis mas invisíveis: do conhecimento, da mente e da intuição. Ela é a musa, que desperta todas as criações do espírito humano. Ela é a amante cósmica, a estrela da manhã e do entardecer, Vênus que surge nos momentos de amor. Bela e irradiante, ela jamais pode ser dominada ou penetrada; a mente é conduzida cada vez mais adiante na ânsia de conhecer o desconhecido, de falar o inexprimível. Ela é a inspiração que vem no momento da introspecção.

O homem primitivo temia a ideia de renascer em outra tribo, entre estranhos, de forma que rezava e realizava ritos para se assegurar de que nasceria novamente na mesma época e no mesmo lugar que seus amados, que o conheceriam e o amariam em sua nova vida. A deusa do culto das bruxas é obviamente a Grande Mãe, a que dá a vida, o amor encarnado. Ela comanda a primavera, o prazer, a festa e todos os deleites. Mais tarde, ela foi identificada com outras deusas e tinha uma especial afinidade com a lua. E assim ainda nos sentimos quando nos despedimos de alguém que amamos e pouco depois alguém da família ou muito próximo engravida, muitas pessoas que acreditam em reencarnação já tiveram esse sentimento perante a essas coincidências e assim era nas tribos antigas, afinal as tribos eram rivais eles lutavam entre si, existiam ritos do Sagrado Feminino onde se faziam Magias Rituais antes dos homens partilhem para uma batalha ou caçada distante, em grandes festas, pois a essência do paganismo está na festa na liberdade de cultuar o sagrado com amor, sem pudor apenas com respeito ao TODO.
antigamente era costume escolher a jovem mais bonita para representar a deusa em grandes encontros. Ela era conhecida como Donzela. Era uma espécie de representação da Grande Sacerdotisa e era tratada com as maiores honras; agia freqüentemente como recepcionista para visitantes distintos mas o poder real permanecia nas mãos da verdadeira sacerdotisa, que de costume trabalhava toda a magia. Com freqüência, a Donzela era a filha da Grande Sacerdotisa e ficaria no lugar de sua mãe quando viesse o tempo; algumas vezes havia mistificação – vendo a semelhança à distância, os visitantes acreditavam que a Grande Sacerdotisa voltava a ser jovem durante os encontros.

A religião dominantemente masculina e monoteísta teve de ceder espaço para o crescente interesse sobre as religiões politeístas .Dezenas de milhares de pessoas de todos os níveis sociais estão se alinhando às Deidades associadas à Terra, ao sol e à lua, aos mares e aos ventos, por isso nessa semana mostraremos ao mundo que a Deusa ainda existe, que ela ainda é cultuada e lembraremos de nossos compromisso com Ela, com nossa fé com nossos Deuses onde a cada dia devemos fortifica-lo e não simplesmente nos afastar ou diminuir suas prioridades .


Bjs e Luz
Michelle Araujo )O( Freya Vivienne

Fonte:
A verdade sobre a bruxaria moderna – Scott C.
A bruxaria Hoje -  Gerald Gardner
A Dança Cosmica – Starhawk
Wicca Para Todos Claudiney Prieto 

sábado, 9 de agosto de 2014

Baba Yaga

Essa Deusa Anciã muitas vezes é temida por lançar a fogueira peregrinos que por sua casa passam
Essa Deusa se mostra a todos aqueles que devem e querem se conhecer, podendo lhe tirar todas as mascaras que possuem, tirando todas as suas escamas, e bloqueios que lhe impedem de se conhecer muitas vezes.
Encontrei um mito bem interessante sobre 3 pessoas que paravam a frente da casa de Baba Yaga.
Quando, empenhado na busca, o primeiro jovem chegou tremendo à porta de sua cabana, Baba Yaga perguntou: “Você está aqui por conta própria ou foi mandado por alguém?” Como a família do jovem apoiava sua busca, ele respondeu: “Fui mandado pelo meu pai.” No mesmo instante, Baba Yaga o jogou no caldeirão e o cozinhou. A segunda pessoa a procurá-la, uma moça, viu o fogo crepitando e ouviu a risada de Baba Yaga. Novamente, Baba Yaga perguntou: “Você veio por conta própria ou foi mandada por alguém?” Essa jovem tinha ido para o bosque sozinha em busca do que encontrasse. “Vim por conta própria”, respondeu ela. Baba Yaga a atirou no caldeirão e a cozinhou também.

Mais tarde, um terceiro visitante, uma moça profundamente confusa diante do mundo, chegou à casa de Baba Yaga no meio da floresta. Ela viu a fumaça e percebeu o perigo. Baba Yaga a encarou: “Você veio aqui por conta própria ou foi mandada por outra pessoa?” A jovem respondeu com sinceridade: “Em parte vim por conta própria, mas em parte vim por causa de outras pessoas. Em parte vim porque você está aqui, por causa da floresta e por causa de alguma outra coisa que esqueci. E em parte nem sei por que vim.” Baba Yaga ficou olhando para ela por um momento e disse: “Você serve.” E a convidou para entrar na cabana. 

Se estiver disposto a se conhecer se enfrentar e deixar suas duvidas e medos de lado, conheça a Baba Yaga a mulher selvagem e livre que voa em seu pilão e pode ser vista com uma Senhora da Morte, pois não existe vida sem morte, uma Anciã assustadora ou a Avo que auxilia seu neto a se descobrir.

Abençoada Seja Baba Yaga e todos aqueles que estão prontos a tirar a própria pele e conhecer a própria alma, a própria essência.



A cidade de São Thomé das Letras está a sua espera!!!!
Um final de semana magico na cidade mais mistica do Brasil está a sua espera!!!
Saída
 dia 14/11/14 de São Vicente, Guarujá e Metro Tatuapé.
       
Retorno dia 16/11/14
Por APENAS R$210,00 por pessoa
Inclui Translado Ida e Volta, Pousada com café da Manhã.
IMPERDÍVEL!!!!!
Garanta já sua vaga
Com Excursão Putz Grila e em outubro tem OktoberFest.
Info: (13) 99753 2114
  

segunda-feira, 7 de julho de 2014

A roda do ano nos conta uma historia a historia do Deus filho e consorte da Deusa.


Em  Yule temos o nascimento  da criança da Promessa, que uma promessa de felicidade e bons tempos  e já esta acontecendo.
O Deus ele será o Sol, que nasce da Deusa e vem para afastar o inverno.
Logo depois chegamos ao Imbolc nessa Época costuma-se acreditar que o Deus Sol que é apenas um bebe recebe os cuidados da Deusa Brigit que lhe da de mamar para deixa-lo mais forte e aos poucos ele começa a brilhar para afastar o inverno.
Um costume é fazer bonecas com a espiga de milho e palha e colocaremos ela numa caminha e daremos o nome de boneca de Brigit ou como  dizem os americanos a Brigit Doll.
E O Deus Sol vai crescer e conhecerá uma Deusa jovem e bonita e vai se apaixonar e tudo ficará mais bonito, florido porque é isso que faz o amor, torna a vida uma linda primavera com toda a empolgação que nesse dia pintaremos ovos e conheceremos esse dia como Festival de Ostara.
E como todos que se amam eles vão casar e faremos uma festa Beltane, nesse dia todos dançam cantam e comemoram, inclusive varias pessoas pegam uma fita colorida cada um e dançam em volta de um mastro que chama de May Pole.
O começo do casamento é um momento de alegria e o Deus Sol está forte e adulto e se o Sol tá forte só pode ser verão e o nome do verão é Litha momento ideal para criar uma roda Solar pra pendurarmos na natureza.
Infelizmente o Deus também envelhece, mas no verão enquanto tava forte e feliz deu sua força pra terra, que é a nossa fonte de alimento, toda essa força que ele deu a terra resultou numa colheita de coisas muito gostosas, para sustentar a todos no inverno que começa a se aproximar de novo.
Essa primeira colheita é conhecida como Lammas e festejada por todos, pois é uma colheita feliz, depois um pouco mais fraco o Deus Sol ainda ajuda a Terra e nos traz o festival de Mabon, onde tudo que é colhido é guardado, pois o inverno se aproxima momento de se guardar de guardar energias e alimento
O Deus Sol ficou fraquinho, ajudou todo mundo a ter força, comida e a Deusa ele engravidou, e infelizmente também vai morrer para se recuperar no pais do verão e renascer em breve   como o filho da Deusa.
O deus morreu e esse dia em que ele viaja pro outro mundo chamamos de Samhain e assim como ele muitos viajam, por isso faremos o Jack O’ Lantern que é uma abobora com uma carinha e uma vela dentro que a fará brilhar, o Deus morre, mas vai renascer em Yule como a criança da Promessa para afastar os dias tristes de inverno.
E essa é a promessa do Deus que sempre vai nascer, viver, nos ajudar e morrer para ajudar a Terra que é a Deusa a nos dar o alimento.
E assim a roda vai girando.


Ocorreu um erro neste gadget